Projeto que valoriza literatura feita por mulheres é premiado em MG

Idealizado e desenvolvido pela jornalista Jéssica Balbino, "Margens" recebeu o Prêmio de Cultura Urbana de PeriferiaCanela Fina em Minas Gerais

 

A jornalista e pesquisadora de Poços de Caldas, Jéssica Balbino foi premiada pela Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais com o projeto "Margens" que atua na valorização das mulheres na literatura marginal, periférica, saraus e  slams no Brasil. A premiação aconteceu por meio do edital Prêmio de Cultura Urbana de Periferia – Canela Fina, que buscou a valorização, divulgação e estímulo à produção dos segmentos da cultura hip-hop nas periferias.

O resultado foi divulgado por meio de uma publicação no diário oficial do Estado de Minas, bem como no site da secretaria. Das 72 propostas recebidas, 28 delas foram premiadas. Com a nota mais alta na categoria MC (mestre de cerimônias), o projeto "Margens" da jornalista Jéssica Balbino, que acontece desde 2014 e tem potencial para continuidade.

O projeto é resultado da pesquisa de mestrado feita pela jornalista entre 2014 e 2016 na Unicamp e valoriza a participação das mulheres na literatura. Para difusão de conteúdo, ela criou o blog Margens (www.margens.com.br), fez o documentário Pelas Margens, já exibido em festivais de cinema e literatura, unidades do Sesc e periferias e rodas de conversa, debate, mesas redondas e ciclos em unidades do Sesc em MG, SP, Itaú Cultural e festivais literários do Brasil todo, como Flipoços, Flup, entre outros. 

A iniciativa contou também com um mapeamento de mulheres que escrevem na periferia de todo o país e resultou em um mapa interativo, disponível no blog, onde é possível conferir, identificar e conhecer quem são as autoras da literatura marginal do país. Mais de 400 mulheres responderam ao questionário e participaram da pesquisa. 

Jéssica Balbino está envolvida com a cultura hip-hop desde 1999, já publicou os livros Hip-Hop – A Cultura Marginal (premiado pelo MINC em 2010) e Traficando Conhecimento, além de ter participado de diferentes antologias e trabalhado como repórter para diferentes veículos segmentados, bem como trabalhado com assessoria de imprensa e produção cultural para grupos de todo o país e ganhado outros prêmios de relevância nacional com tais artistas. 

"Fiquei muito feliz com o resultado. Iniciativas como editais de premiação são extremamente importantes, porque valorizam trabalhos já feitos, de forma independente e na maioria das vezes, sem recursos e com resultados visíveis, especialmente nas periferias. Quando criei o Margens, sabia que era um projeto inédito. Foi o primeiro blog do país a tratar da literatura marginal/periférica, dos saraus, slams e de toda esta cena que é efervescente e isso somado à produção das mulheres, que é um viés crescente, tenho muito potencial de crescimento e continuidade. É um projeto amplo e que pode ser ainda mais", destacou Jéssica Balbino.

O projeto foi enviado ao prêmio através de uma parceria da jornalista com a Pomar Cultural Produtora.

Sobre o Prêmio

Prêmio de Cultura Urbana de Periferia – Canela Fina busca difundir, aprimorar e consolidar a noção de cultura urbana de periferia, que vêm redimensionando tanto suas identidades étnicas quanto as representações sobre o próprio contexto onde vivem. O nome do edital é uma homenagem a Anderson Luiz de Paula, mais conhecido como MC Canela Fina, que foi integrante do Retrato Radical, grupo referência do rap mineiro, com o qual gravou três discos: "Seja Mais Um" (1995), "O Barril Explodiu" (2000) e "Homem Bomba" (2010). Além disso, integrou em 1997 o grupo Black Soul, com o qual gravou o álbum "Patriamada", o primeiro CD de rap mineiro lançado por gravadora e com distribuição nacional. O disco saiu pelo selo Atração Fonográfica, que na época tinha artistas como Bezerra da Silva, Beto Barbosa e 509-E. MC Canela Fina está entre os rappers com o maior número de registros fonográficos da capital, sendo que o primeiro álbum do rapper foi produzido em vinil pelo DJ A Coisa e lançado pelo selo local "Black White Discos". Canela Fina, ou Black, como muitos o chamavam, foi um MC habilidoso e um letrista versátil, considerado um dos melhores letristas do rap nacional. 

Serviço – Mais sobre o Margens pode ser visto nos sites www.margens.com.br ou www.jessicabalbino.com.br

Sobre o DNA Urbano

É um site que cria uma interlocução direta com seu público e com projetos culturais da cidade que tenham entre suas atribuições a valorização e o fortalecimento das culturas juvenis urbanas.

As RUAS nas REDES...
Somos Mídia Livre!

Contato

Sugestões, Elogios, Dúvidas e Parcerias:

 

email
(27)999.918.819

Licença de Uso

Todo conteúdo do DNA Urbano é livre para reprodução, seja ela total ou parcial, para fins pessoais, comerciais ou educacionais, desde que citem as devidas fontes (nome do site, seguido do link do conteúdo em questão).

Manter os devidos créditos é também uma forma de incentivar o trabalho dos autores de conteúdo.

Top