Arigatou, Banks!

O Hip Hop perdeu hoje um dos seus grandes representantes: Banks (Back Spin Crew)

Texto por Gilberto Yoshinaga (Gilponês):

Quando fui convidado para participar do 1º Encontro de Literatura Marginal de São Carlos, em outubro de 2015, o que mais me animou foi a oportunidade de conhecer uma pessoa cujo nome eu tinha escutado diversas vezes, na fase em que eu fazia a pesquisa e colhia informações para escrever a biografia de Nelson Triunfo.

Aliás, não sei como não o conheci antes, porque nossos caminhos se cruzaram diversas vezes, seja em razão de encontros culturais na Casa do Hip-Hop de Diadema ou de outros eventos em São Paulo. O convite para ir a São Carlos, há pouco mais de dois anos, foi a deixa para que eu pudesse conhecer pessoalmente o b-boy, educador e poeta BANKS, ícone da Back Spin Crew.

Contatei os organizadores e comentei: “Eles vão pra São Carlos de que? Ônibus? Poxa, eu vou de carro. Posso dar carona para eles![porque Banks iria com seu parceiro Cérebro, com quem formava a dupla mais afiada do circuito de slams de São Paulo]” No dia do evento, já com o endereço de Banks em mãos, busquei ele e Cérebro e fomos a São Carlos.

Pegar estrada junto com Banks, participar do encontro de literatura marginal e conviver com ele por aqueles dois dias em São Carlos também me ajudou a conhecer um pouco do ser humano Ericson Carlos Pires da Silva. Um cara que foi “salvo” pela cultura hip-hop duas vezes: a primeira, quando se desvencilhou dos tentáculos negativos que seduzem muitos jovens de periferia e se tornou um dos melhores b-boys de sua geração, tendo excursionado com Thaíde & DJ Hum por todo o Brasil e até mesmo para a França; e a segunda quando teve um grave problema nas pernas, que o impediu de prosseguir na dança, e encontrou refúgio nos livros, nas letras, tornando-se respeitado poeta nos inúmeros saraus e slams que abrilhantou com sua performance – sempre ao lado de Cérebro. 

Depois disso, nos cruzamos na inauguração da Casa do Hip-Hop de Bauru e na festa de 30 anos da Back Spin Crew, para a qual, mesmo em meio à grande trabalheira de organizar um evento desse porte, ele próprio me telefonou fazendo o convite – uma verdadeira convocação! – e oferecendo uma mesa para que eu pudesse divulgar meu livro.

Acordei hoje pouco depois das nove da manhã, com um recado da Ana P., esposa do Thaíde. E soube que Banks foi convocado para o slam divino, para a batalha das almas que já cumpriram sua missão e merecem descansar em um bom lugar. A cultura hip-hop brasileira perde um de seus mais importantes agentes, mas o legado por ele deixado será eterno.

Vou guardar para sempre duas imagens de Banks. Uma delas, dançando, gingando, rodopiando e desafiando as leis da Física com seu corpo. E outra, mais recente, segurando um livro como se fosse uma arma de fogo, “apontando-o” para a cara do público e atirando “violentas” palavras, à queima-roupa, para a testa e o cerebelo de quem quer que fosse. 

À sua família de sangue desejo todo conforto possível. E à sua família das ruas desejo que sua importância nunca seja esquecida nem desonrada.

Descanse em paz, Banks. E muito obrigado por tudo o que fez pela nossa cultura hip-hop! Arigatougozaimasu!


 Texto publicado originalmente no Bocada Forte

*Gilberto Yoshinaga (Gilponês) é jornalista, escritor, produtor cultural e colaborador do portal Bocada Forte. Um dos fundadores do coletivo/selo Shuriken e autor dos livros “Nelson Triunfo: Do Sertão ao Hip-Hop” (2014), “Thaíde: 30 Anos Mandando a Letra” (2016) e “Thaíde: Sr. Tempo Bom” (no prelo).

Sobre o DNA Urbano

É um site que cria uma interlocução direta com seu público e com projetos culturais da cidade que tenham entre suas atribuições a valorização e o fortalecimento das culturas juvenis urbanas.

As RUAS nas REDES...
Somos Mídia Livre!

Contato

Sugestões, Elogios, Dúvidas e Parcerias:

 

email
(27)999.918.819

Licença de Uso

Todo conteúdo do DNA Urbano é livre para reprodução, seja ela total ou parcial, para fins pessoais, comerciais ou educacionais, desde que citem as devidas fontes (nome do site, seguido do link do conteúdo em questão).

Manter os devidos créditos é também uma forma de incentivar o trabalho dos autores de conteúdo.

Top