Metamorfose Ambulante

Metamorfose Ambulante

Essa semana o escritório da empresa em que trabalho está de mudança, vamos para um novo endereço, a boa notícia é que o ponto final da Van é praticamente em frente à porta de saída do prédio

. Ok, não sei se isso é tão bom assim, mas a vantagem é que terei a certeza de boas(ou não) histórias.

 

Segunda fui a uma reunião na nova sala, estava com um estiramento num músculo das costas que me rendeu o apelido de Optimus Prime, mas sem as qualidades da palavra "Optimus" e nem a categoria da palavra Prime.

 

Fim da reunião, sigo mancando, andando mais torto que o homenzinho torto e me apoiando no meu guarda chuva xadrez usado como bengala, me dirijo ao ponto da van que me aguarda com sua porta aberta. Vazia, faço um esforço sobre humano para subir, e me arremesso ao canto da segunda fileira, na compania do meu colega de trabalho Ricardo.

 

Saindo a Van, essa tinha o plus de 2 cobradores, sabe aqueles sujeitos metidos a bandido? Cheio de gírias de favela, forçando errar o português e a palavra bagulho era obrigatória em cada frase, assim como o famigerado "Tá ligado". Desses que eu gosto, porque poupa meu trabalho de revisão no texto.

A van foi lotando, lotando e a cada buraco eu inventava um palavrão novo.

 

Os cobradores indagavam sobe a possibilidade da van conseguir chegar em Bangu com o combustível que dispunha.

- Malandrão 01 : - Ihh mané, esse bagulho tá doido hein? Hãããnnn...
- Malandráo 02: - Dá sim, o bagulho tá cheinho, tá ligado?

- Malandrão 01 : - Será que "nóiz"chega no bagulho?
- Malandráo 02: - Claro, hããããnnn, tá ligado que o bagulho é como? Hããããnnn, na moralzinha...


Ok, esse diálogo serviria pra qualquer tipo de assunto, e, qualquer lugar do mundo, mas queria dizer o seguinte, o primeiro não sabia se o diesel era o bastante pra chegar a Bangu, e o segundo se mostrava seguro, pois já tinha passado por tal experiência. Só Isso.

Então a Van para num posto. Lotada.

 

E o cobrador já grita:

- Coé Frente!!!! Fortalece o bagulho do Diesel pa nóiz!
- Coéééééé, Vai atender nóiz naum FDP! O bagulho vai ficar doido hein! Hãããnnn...

o frentista eu não sei se tava ocupado ou com medo, só sei que ele não veio.

 

a viagem seguia, e os caras falavam mais que tudo, o primeiro todo envergado em cima de uma passageira sentada na primeira fila, quando escapa um pinguinho maroto que cruza o banco e pousa no ombro da menina.

Educadamente o cobrador pergunta olhando no olho da moça constrangida.

 

- Te cuspi colega? Te cuspi? Desculpa ae, tranquilo?

 

Olha, nem se ele tivesse lambido a cara da moça, ela ia responder que sim. Aposto.

E com a mão direita ele esfrega o ombro da moça meio que limpando/espalhando a secreção mucosa num gesto no mínimo bizarro.

O segundo sentava no corredor, no chão, junto aos pés de uma passageira que vinha calada e suando.
Numa fração de segundos ele se levanta, saltando pra frente, enquanto essa passageira, chama o Sr. Raul, com direito a todas as letras. Uma gritaria toma conta do coletivo. VOMITANDOOOOOOO!!!! A MULHER VOMITOOOUUUUU!!!! AHHHHHHHHH!!!!

Eu, não conseguia me mover rapidamente, então, só levantei os pés, certo de que a lava vulcano-gastro-intestinal não chegaria a mim.

E a gritaria continuava: PÁÁÁÁ'RA A VAN!!! PÁÁÁRAAA PORRAAAA!!! ENCOSTAAAA!!!!

Então o motorista encosta o carro num posto e abre a porta, umas 6 pessoas espremidas no canto observam a mulher se retirar do carro enquanto o cobrador01 corre pra pegar um balde de água e aparece também com um rodo.
O outro acalma os passageiros...

 

O cara lavou o chão da van com todo muundo dentro! Vigilância sanitária qualquer dia tamo aeeeee (8)...

A viagem prosseguiu com um perfume de salsichão do ponto do BarraShopping, esse eu conheço.

 

Um cobrador pergunta a moça.
"- Qué ipo UPA?""
"-Pa onde?"
"-Po UPA!"
"-não brigado."

 

Quase que eu me prontifiquei a ir...ai minhas costas.

Minutos depois uma senhora atrás de mim avisa:


- Esse cheiro tá me embrulhando o estômago, quero vomitar também!!!

A inveja é uma merda né?

 

Pensei em rapidamente proteger meu pescoço, ali amostra como um alvo para a "gorfada" em movimento.
E também torcia para nenhum movimento brusco do motorista...

 

Mais um round de gritaria, afinal, ninguém aguentaria duas sessões de descarrego alimentar dentro daquele caixote de metal em ambulante.

 

A van parou, as duas desceram pra vomitar juntas e felizes, e seguimos viagem tranquilos e salvos.

Nesse caso eu peço permissão de contrariar o poeta e dizer que não é "chato chegar A um objetivo num instante"...

 

Visite o site do autor:

papoperfil

Sobre o DNA Urbano

É um Site especializado em Culturas Urbanas em suas mais variadas vertentes. Cultura Hip Hop e seus quatro elementos (Graffiti, Break, MC e DJ), Skate, Circo, Tattoo, Parkour, são temas comuns em nossas publicações.

Contato

Sugestões, Elogios, Dúvidas e Parcerias:

 

email
(27)999.918.819

Licença de Uso

Todo conteúdo do DNA Urbano é livre para reprodução, seja ela total ou parcial, para fins pessoais, comerciais ou educacionais, desde que citem as devidas fontes (nome do site, seguido do link do conteúdo em questão).

Manter os devidos créditos é também uma forma de incentivar o trabalho dos autores de conteúdo.

Top