Manifesto - #RapPelaDemocracia

De maneira completamente autônoma, lideranças do movimento Hip Hop se organizaram para elaborar um manifesto a favor da democracia e contra a candidatura do candidato Jair Bolsonaro (PSL).

Assinam esse manifesto: 3030, Aori, Baco Exu do Blues , Batoré (Cone Crew), Bivolt , BK, BNegão ,Coruja BC1, Criolo, Dexter, Diomedes, Dj Vivian Marques, Djonga, Don L, Drik Barbosa (Rimas & Melodias), Emicida, Fillipe Ret, Flávio Renegado, Gali (Primeiramente), Gog, Guigo (Quebrada Queer), Kamau ,Karol de Souza (Rimas e Melodias), Lunna Rabetti, Marcelo D2, Mano Brown, Ogi, Preta Rara, Rael, Rappin Hood, Rashid, Rico Dalasam, Rincon Sapiência, Rubia (RPW), Spinardi (Haikaiss), Sharylaine, Síntes, Tassia Reis e Thaíde.

Jair Bolsonaro representa uma ameaça aos nossos valores. Em quatro anos, é possível retroceder 500. Não podemos eleger o candidato que quer voltar no tempo. Se ele quiser, que viaje pro passado sozinho. A máquina do tempo do Hip Hop sempre olha para frente. Por isso, não anule seu voto, vote certo e converse com as pessoas. Explique o que está em jogo e muita gente vai entender. Ainda há tempo!

 

Mamadores da Lei Rouanet? Não é bem assim!
Talvez você tenha ouvido em correntes pela internet que os artistas que batem de frente com o candidato apoiador da tortura, Jair Bolsonaro, do PSL, “mamam” nas tetas do Estado por meio de incentivos como a Lei Rouanet. Mas não é bem por aí. Há quem olhe o rap hoje e ache que tudo sempre foi muito fácil, que os maiores palcos do país e as casas mais renomadas sempre estiveram abertas para o gênero musical. Não se engane, o rap nasceu na estação São Bento do metrô, em São Paulo, marginalizado e com a polícia impedindo a tal “aglomeração”. Aos poucos ganhou espaço, mostrou sua relevância, alcançou palcos pequenos, rádios comunitárias e por meio do esforço e talento de muitos, hoje é um estilo musical consolidado no Brasil e simplesmente o mais ouvido no planeta.

O rap é alvo de críticas porque vai além da música, é e sempre será muito mais do que um som. É o grito do excluído, do oprimido, do marginal, do preto, do pobre, do contestador, do sonhador, de quem batalha todo dia e não perde a alegria de viver. O rap é festa, tem ritmo, ginga, mas também tem ideia, tem filosofia e questionamento. É feito em grupo, mas não cai em grupo não. Quem tá envolvido com o rap não deixa comédia falar besteira e sair sem ser questionado, dizendo que foi só um mal-entendido, uma brincadeira e tudo bem. Tem que agir pelo certo, tem que saber o peso da sua fala, o peso da sua atitude.

Como diria o saudoso Sabotage, o rap é compromisso. E apesar de ter suas individualidades, não é individualista, e sim uma ideia coletiva, de luta por espaços para propagar suas ideias e mostrar seus frutos no palco. Chegam a ser absurdos os argumentos que falam que artistas estão “vivendo da Lei Rouanet”. Àqueles que não conhecem, essa é a Lei Federal de Incentivo à Cultura, que tem beneficiado “artistas de renome e grandes e rentáveis atrações culturais, como musicais de origem estrangeira”, segundo matéria da Carta Capital (publicada em 04/09/2018).

Você sabia que entre os maiores beneficiados estão a T4F Entretenimento S.A. e a (16,4 milhões) e a Fundação Roberto Marinho (10,9 milhões)? Por isso, não se deixe enganar com falsas acusações, que têm encontrado um terreno fértil na internet, particularmente aplicativos de mensagem como o Whatsapp.

Apesar do crescimento de agências e serviços de checagem de informação, vivemos um momento em que as notícias falsas ganharam mais relevância do que fatos reais. A situação é tão complicada que o Ministério Público “está investigando se há nessas eleições um esquema profissional utilizado pelas campanhas para a propagação de fake news”, como registrado em reportagem do Portal UOL. Entre um mar de notícias falsas, uma delas foi recentemente proibida pelo TSE, dizendo respeito a existência do “kit gay”, que nunca existiu apesar da afirmação de jair Bolsonaro e seus apoiadores.

Por isso, nesse delicado momento, ouça seu MC favorito, reflita, debata, mas o leve em consideração, já que por tanto tempo você o ouviu e respeitou sua obra. Não deixe que um candidato que foge de debates, propaga inverdades, difunde a intolerância e a divisão em nome de deus, bloqueie a sua visão e o seu senso crítico. Apoie quem defende a democracia, sempre. E caso não concorde com essa figura, seja oposição, se arme de ideias e bata de frente como o rap sempre fez. Jamais se iluda com a falsa ideia de segurança por meio de uma polícia mais dura, redução da maioridade penal e diminuição de investimento na cultura e educação. Fica ligado que eles querem te arrastar!

Também não é aceitável votar nulo ou em branco, pois isso fortalece o candidato que já está em vantagem nas urnas. Votar 17 então é compactuar com um retrocesso gigantesco na jovem democracia que existe no Brasil. Democracia que se encontra em risco, pois o candidato Jair Bolsonaro é ex-militar, a favor da tortura, tem como ídolo um coronel conhecido como líder da tortura realizada na época da ditadura instaurada no país, que pensa que a solução para os problemas está em armar a população ao invés de investir na educação e ainda possui um vice que defende o fim do 13o salário, entre tantas outras declarações antidemocráticas.

Avançamos como sociedade apenas quando tivermos a possibilidade de dialogar, de expressarmos nossas ideias sem medo de repressão, sem punição descabida, sem preconceitos, e com certeza tendo mais investimento em educação, que traz conhecimento e pensamento crítico. Que o amor seja mais forte do que o ódio e o revanchismo. Não podemos aceitar nem mais um passo atrás. O rap é pra frente e sempre será.

Texto e vídeo: RAP Pela Democracia

Sobre o DNA Urbano

É um Site especializado em Culturas Urbanas em suas mais variadas vertentes. Cultura Hip Hop e seus quatro elementos (Graffiti, Break, MC e DJ), Skate, Circo, Tattoo, Parkour, são temas comuns em nossas publicações.

Contato

Sugestões, Elogios, Dúvidas e Parcerias:

 

email
(27)999.918.819

Licença de Uso

Todo conteúdo do DNA Urbano é livre para reprodução, seja ela total ou parcial, para fins pessoais, comerciais ou educacionais, desde que citem as devidas fontes (nome do site, seguido do link do conteúdo em questão).

Manter os devidos créditos é também uma forma de incentivar o trabalho dos autores de conteúdo.

Top