Corpórea Companhia de Corpos apresenta Rés na Funarte

Rés é a primeira obra da corpórea que prõpoe reflexões sobre o corpo negro e periférico.

A Corpórea convida o público a conhecer esta produção em dança que busca evidenciar corpos negros em ações cotidianas, seu protagonismo, e refletir sobre a invisibilidade inerente ao nosso contexto social.

Nos dias 02 e 03 de novembro, às 19h30, a Corpórea Companhia de Corpos apresenta o espetáculo Rés, no Complexo Cultural Funarte, como parte da programação do projeto "Negritudes Convergentes: Danças Independentes", produzido pela Cia Sansacroma, que vai até o dia 26 de Novembro.

O espetáculo Rés, que teve sua estreia com muito sucesso no dia 17 de Outubro no SESC 24 de Maio, propõe uma grande reflexão sobre a situação de mulheres em situação de cárcere no Brasil, sobre a violência existente neste universo contra o gênero feminino, a vulnerabilidade destes corpos até chegar ao momento da prisão e direciona o olhar para quem são essas mulheres encarceradas de diversas formas (física e metaforicamente).

Para além das grades e cadeados, “Rés” lança questionamento sobre quantas portas fechadas já existiram, existem e ainda existirão na vida destas pessoas que, de certa forma, são marcadas por serem mulheres negras. A obra faz uma análise também sobre o entorno e sobre as mulheres que acabam levando uma vida de encarceramento por terem companheiros, filhos e outros familiares em situação de cárcere.

Com direção geral de Verônica Santos, “Rés” é uma produção em dança e a primeira obra de uma trilogia em construção da Corpórea, que investiga uma outra forma de pesquisa e um novo olhar sobre como transladar o corpo negro cotidiano para a cena. Na sequência haverá uma montagem em teatro e depois um espetáculo em dança com aspectos performativos sobre a memoria do corpo e sua máscara, a pele.

Em Rés, a dança é utilizada para apresentar três corpos femininos e negros em cena, que compartilharão as diversas possibilidades de reflexões e denúncias de um aspecto social que está sempre à margem das discussões.

“Usamos os nossos corpos para denunciar o que um corpo negro feminino sente em uma situação de encarceramento. É por isso que a encenação não fala de números estatísticos. Buscamos uma reação da plateia, um incômodo ou simplesmente um estado de inércia. Não porque são expectadores, mas sim por sentirem o peso do encarceramento, queremos remete-los às suas próprias realidades. Em Rés a plateia nunca é um mero observador” – pontua Malu Avelar, uma das criadoras da Corpórea.

Apesar do nome Rés, na obra não existem presidiárias (nem personagem, nem figuras, nem bailarinas), mas sim corpos expostos à situação que representem os diversos tipos de encarceramento. Essa característica reforça a nova forma de pesquisa intencionada pela Corpórea. 

Sobre a Corpórea Companhia de Corpos

A Corpórea Companhia de Corpos tem como objetivo evidenciar corpos negros em ações cotidianas demonstrando o protagonismo presente inclusive em ações simples do dia-a-dia. Neste processo de historicizar seus corpos, a partir da trajetória de outros corpos, o grupo busca contextualizar suas referências estéticas, poéticas e políticas, entrelaçadas nesse corpo que se faz urgente e indispensável.

Partindo de questões e reflexões sociais que desempenham o papel do corpo negro na cena, os fundadores: Verônica Santos, William Simplício e Malu Avelar estabelecem a preposição de uma pesquisa que objetiva não somente criar, mas, também resgatar suas ações, produções, memórias e trajetórias, no percurso de suas contemporaneidades na cena.

A Corpórea Companhia de Corpos não se intitula uma companhia de dança, teatro, música ou performance. Como o próprio nome menciona, é uma companhia de corpos que usa da linguagem da "exposição" dos corpos negros para evidenciar o seu devido protagonismo em situações cotidianas.

“Um pedreiro em cena mexendo com a massa e levantando uma parede. Isso é um corpo negro em evidência, expondo a potência máxima da sua existência humana negra e social. Nesta cena ou performance a pesquisa está nos olhares sobre o que se vê. A ação do intérprete e a reação da plateia é um dos campos de pesquisa mais valiosos da Corpórea. Como o nosso corpo faz você sentir, a partir do que nós sentimos” – descreve William Simplício.


SINOPSE - RÉS

O espetáculo “Rés” tem como temática principal o universo do encarceramento feminino e a vulnerabilidade desse corpo no Brasil. Diante deste contexto, o espetáculo propõe uma análise artística e poética, através de uma produção em dança sobre as estatísticas que envolvem o sistema de encarceramento em massa. Propondo uma importante reflexão através da dança, a Corpórea convida o público a conhecer um trabalho que evidencia o protagonismo negro nas estruturas do cotidiano.

Serviço:

O que: Anti-Expo-Fágica – Teatro Exposição
Onde:  Complexo Cultural Funarte SP. Alameda Nothmann, 1058, Campos Elíseos.
Quando: Dias 2 e 3 de novembro - Quinta e sexta, às 19h30.
Entrada: Ingressos: R$ 10 (meia-entrada: R$ 5) – Cartões não são aceitos - *Entrada gratuita para moradores do bairro de Santa Cecília
Classificação: 12 anos
Duração: 50 minutos.
Informações: (11) 3662-5177 / Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Facebook:
facebook.com/corporeacompanhiadecorpos
Contato Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini - Cel.: 99568-8773 - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Sobre o DNA Urbano

É um site que cria uma interlocução direta com seu público e com projetos culturais da cidade que tenham entre suas atribuições a valorização e o fortalecimento das culturas juvenis urbanas.

As RUAS nas REDES...
Somos Mídia Livre!

Contato

Sugestões, Elogios, Dúvidas e Parcerias:

 

email
(27)999.918.819

Licença de Uso

Todo conteúdo do DNA Urbano é livre para reprodução, seja ela total ou parcial, para fins pessoais, comerciais ou educacionais, desde que citem as devidas fontes (nome do site, seguido do link do conteúdo em questão).

Manter os devidos créditos é também uma forma de incentivar o trabalho dos autores de conteúdo.

Top