Conheçam o trabalho jornalístico do Alma Preta

Portal que trabalha o jornalismo independente especializado em mídia negra.

A cada dia novos espaços especializados em diversos segmentos vem sendo criados para abordar assuntos que vão dos mais fúteis, aos mais necessários. E é nessa segunda opção que se encaixa o Alma Preta. O portal que vem crescendo e se destacando a cada dia no meio na negritude brasileira é um espaço para que possamos estudar, entender, debater tudo que acontece com nosso povo negro. Hoje o Alma Preta é um parceiro do DNA Urbano e será um dos nossos fornecedores de conteúdo. A mídia livre tem que se unir e levar o melhor conteúdo para seus públicos. Confira o bate papo que fizemos com o Pedro Borges, um dos responsáveis pelo portal e conheçam melhor o trabalho dessa rapaziada talentosa e dedicada.


DNA Urbano – Como o Alma Preta se formou?

Alma Preta - O Alma Preta é fruto de dois movimentos históricos, um mais longínquo e outro mais recente. A imprensa foi criada no Brasil em 1808 com a chegada da família real ao país. Anos mais tarde, em 1824, criou-se aquilo que hoje chamamos de imprensa negra.

Desde então, negras e negros organizam jornais e portais de resistência da comunidade negra, na medida em que a mídia pouco pauta temas sensíveis e delicados aos afro-brasileiros. Mais do que isso, o jornalismo brasileiro apresenta os temas a partir de uma perspectiva de classe, raça e gênero hegemônicas, distantes da realidade de negras e negros. Temas como a carga tributária do país e a democratização da mídia, por exemplo, são abordados a partir do olhar do grande capital.

O outro movimento mais recente é a maior entrada de estudantes negros nas universidades brasileiras. Mesmo que o grupo não tenha estudantes ou formados cotistas, a construção do coletivo negro Kimpa – Unesp Bauru e a formação do Alma Preta é reflexo da efervescência política causada pela maior presença de negras e negros nesse espaço.

A partir daí, quatro jovens negros, Pedro Borges, Vinicius Araújo, Vinicius de Almeida e Solon Neto, iniciaram a construção do portal de mídia negra Alma Preta.

DNA Urbano – Quais os principais objetivos do Alma Preta?

Alma Preta - O Alma Preta tem entre os seus objetivos centrais o combate ao preconceito, à discriminação, ao racismo e também o fortalecimento da identidade afro-brasileira. Para isso, o portal produz notícias sobre atividades da comunidade negra, assim como denuncia casos de racismo.

O grupo entende que se opor ao racismo exige uma postura contra a estrutura do Estado e, para isso, é preciso destrincha-lo de maneira cuidadosa a partir de uma perspectiva de raça, classe e gênero. Por isso, o Alma Preta produz reportagens sobre problemas crônicos da sociedade brasileira como a proposta de reforma trabalhista e previdenciária do atual governo ilegítimo.

DNA Urbano – Como o Alma Preta avalia a cobertura da mídia hegemônica?

Alma Preta - A cobertura da mídia hegemônica sobre os mais diversos temas é superficial, preconceituosa e conservadora, como já ensinou teóricos como Perseu Abramo e o professor da Unesp Bauru, Juarez Xavier.

A mídia cumpre a função de sustentação ideológica do sistema de dominação vigente, que se utiliza do Estado para superexplorar a massa trabalhadora e os corpos negros. Para isso, é preciso se utilizar de técnicas que Perseu Abramo apontou como os padrões de manipulação da mídia.

Ela oculta ou desvia aspectos fundamentais para o entendimento da realidade de acordo com os interesses políticos e econômicos das elites nacionais e internacionais.

Alma Negra entrevistando o DJ KL Jay


DNA Urbano
– Qual a importância da mídia negra no Brasil?

Alma Preta - De acordo com dados da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), há apenas 22% dos jornalistas em atividade hoje no país são negros. Os dados se agravam e muito nos principais portais do país, como a Folha de S. Paulo, O Globo e Estadão, onde o número não passade 5%.

Nesse quadro, a mídia negra se torna uma ferramenta importante para receber esses profissionais e produzir conteúdo a partir da perspectiva do cidadão negro brasileiro.

Mais do que a representatividade, olhar para a sociedade a partir de uma perspectiva de raça, classe e gênero é algo fundamental para uma mudança estrutural na sociedade brasileira. Infelizmente, os principais portais almejam a manutenção do status quo e não buscam a ruptura social. Mesmo os portais que se colocam à esquerda esquecem de pensar a partir das perspectivas de gênero e raça, também estruturantes da sociedade brasileira.

A mídia negra então permite o espaço ao jornalista negro e uma possibilidade de narrar a sociedade sob a ótica de classe, gênero e raça. É a partir dessa proposta que podemos pensar numa sociedade mais justa e igual.

DNA Urbano – Qual a importância da Cultura Hip Hop para o enfrentamento ao racismo?

Alma Preta - A cultura sempre foi uma ferramenta muito importante de combate ao racismo. Antes mesmo do Hip Hop, negros fizeram esse enfrentamento com o Rock, Blues, Jazz, Soul, Samba, entre outras. Com o Hip Hop não foi diferente. A resistência cultural da comunidade negra norte-americana, brasileira e afrodiaspórica permitiu a sobreviência desse grupo racial e o questionamento aos Estados de supremacia branca.

No Brasil, exemplos não faltam. Evidentemente a recordação mais forte que temos, por residirmos em São Paulo, são os Racionais Mc’s. A lista não se limita a eles e hoje traz nomes como Yzalu, Tássia Reis, Coruja Bc1, Emicida, entre outras e outros.

DNA Urbano Como vocês abordam a cultura Hip Hop no portal Alma Preta?

Alma Preta - Abordamos a cultura Hip Hop enquanto expressão estética, popular e política. É muito bacana trazer a tona os arranjos criados por músicos, artistas, grafiteiros negros que se utilizam de algum dos 5 elementos para construir uma obra de resistência.

Quando colocamos “resistência” e “política”, não nos limitamos ao debate macro e a táticas de denúncia ao racismo. É algo muito mais amplo. Escrever ou desenhar sobre o amor são também atos carregados de força política. Tratar sobre afetividade entre a comunidade negra é uma ação de extrema relevância.

O DNA Urbano agradece

almapreta

Sobre o DNA Urbano

É um site que cria uma interlocução direta com seu público e com projetos culturais da cidade que tenham entre suas atribuições a valorização e o fortalecimento das culturas juvenis urbanas.

As RUAS nas REDES...
Somos Mídia Livre!

Contato

Sugestões, Elogios, Dúvidas e Parcerias:

 

email
(27)999.918.819

Licença de Uso

Todo conteúdo do DNA Urbano é livre para reprodução, seja ela total ou parcial, para fins pessoais, comerciais ou educacionais, desde que citem as devidas fontes (nome do site, seguido do link do conteúdo em questão).

Manter os devidos créditos é também uma forma de incentivar o trabalho dos autores de conteúdo.

Top